&

sábado, 11 de julho de 2015

Tua Luz.






Minha estrada, meus caminhos...
É fria, desbotada. São escuros.
Vem pra mim, vem... Diz o vento
Por essas vielas sem futuro.
Langoroso.

 Voz da ilusão e tormentos!
Céu e inferno, miragens interpostas,
Amargas as vozes dos pensamentos...
Dançam no jardim e em minha cabeça
Atrás da porta...

Você, por vezes... Tão perto
Embaça e embaraça-me a visão
Rezo que vá, mas vão pedidos,
Pedir que partisse do coração.
Se tento alcança-la à distância

Avantesmas voejam ao redor
Num cerco que deprime e sufoca
Dentre estes um se destaca
E diz “afaste-se... Ela é minha...”.
É então que entendo!

Somos todos prisioneiros aqui
Nestas terras de um grão vizir
Como poderá um trovador um poeta
Entoar as poesias e canções
Perdido coração!

E o risco de perder a cabeça!
Ele ameaça...
Uma nota se desprende do banjo...
Ele ameaça... Uma folha cai...
Outra ameaça esbraveja...

Uma estrela ri de sua loucura...
Enquanto um corvo lhe rói o fígado e não o vê,
O tempo se vai...
A noite é densa e tenebrosa
Mesmo assim a flor em rosa

Na manhã em esperança desabrocha.
Na borrasca e na calmaria
Às noites sempre interveem
Apaga-se o sol por que não o farol!
Importa? Que as naus as rochas encontrem?

Não, não importa.
Basta-me saber que tu existes
Importa! A luz, que de teus olhos veem...
No breu, candelabros acesos, embora tristes.
Sua luz mostrará o caminho.
         



https://youtu.be/LTm9ui-26F0

2 comentários:

Cristina disse...

Maravilloso sitio, encantada de conocerlo.
Si me permites me quedo como tu seguidora, abrazos desde Uruguay!

Lucia Marina Rodrigues disse...

SÓ AMOR ,COMO EU GOSTO!