&

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Sonata de Estrelas.





A via láctea és tu... Solidão na noite!
Fulgor suntuoso e belo de estrelas
Debruçada invisível nos meus ares...

E tua luz, declina, sobre as flores,
Derramada... Em cores às sépalas
A beleza destila-se em orvalhos
Tornam lacrimosas todas as pétalas

Ah! Translúcida ninfa destes sonhos
Doce aragem olorosa é sua presença
Faze tilintar em sonatas mudos sinos

Gema do espírito, devanear da mente...
Pujança estremecida que o corpo sente
Expressão, música vivificante, silente,
A toda furna d’alma triste preenche.

4 comentários:

ania disse...

Vir aqui é adentrar num mundo de magia e encantamento, poesia e música de um jeitinho que afaga a alma e faz sonhar...amei!!!abraços, ania..

Anônimo disse...

Frescor da manhã a preencher as lacunas e cicatrizes da alma logo nos primeiros raios do sol.... Assim é ler seus versos ao despertar.... Sempre belíssimas palavras e sentimentos torneados com a delicadeza das asas das ninfas que lhe abençoam a cada respirar entre um fonema e o outro.... Beijo... B ....

Cristina disse...

Muchas gracias por tu encantadora visita a mi sitio, pido disculpas por la demora en responder pero estoy teniendo muy poca actividad en los blogs últimamente por falta de tiempo.

Es un placer poder leerte y disfrutar de tus letras tan agradables y dulces, te deseo un hermoso fin de semana mi bello amigo de letras.
Besos muchos para vos.

LUCIA MARINA RODRIGUES disse...

Na solidão da noite tudo acontece ...mas não percebemos .Que pena!