&

domingo, 12 de outubro de 2014

Fogo de Mulher.




 



No teu olhar semiaberto, fogo, eu vejo,
Pólvora, rastilho, um sorrir de menina!
E a febre de teu corpo confirma
A alma ardendo de luxúria e desejo.

Os olhos se enjaulam, a boca se abre,
A língua serpeia, salamandra em brasa!
Saliva e lava, lhe escorrem os lábios,
Sugando ávida, o que não lhe cabe,

Sacudindo estruturas em vis tremores
Quando sós chamas alimentam o fogo
No suplício insano da fogueira...

Dum instante a outro, vejo em ti,
Prodígios, terremotos e vulcões!
E outros que transcendem no porvir
Quando você depois de tantas
Volta a ser, meramente a flor,

Uma Rosa toda facetada em pétalas
Que por toda a noite estava aberta
Agora se fechando vespertina,
Volta a ser mulher e menina

Brasas sobre brasas que repousam
Sob seus pelos doirados ornados,
Uma deusa alva chamuscada
Lânguida, espreguiça, ronrona,

Dá-me uma lambida e dorme.




2 comentários:

Anna Lúcia Gadelha disse...

Versos sensuais belíssimos e expressivos!! Maravilhosa poesia!!! Bjs

Katia Marques disse...

Intensos...
bjs
Katie